Este ano eu completo 30 invernos (não são primaveras, pois nasci em julho). Os que já passaram por essa fase sabem que ela vem recheada de mudanças, tanto físicas (já me chamam de Tia ou Senhora na rua!!!), como comportamentais, e com isso vêm os questionamentos.

Após a miscelânea de emoções vividas nos últimos anos, resolvi tirar um tempo para mim. Quero vivenciar situações imprevistas e redescobrir a Flávia, que por vezes vinha se escorando em personagens circunstanciais.

Obtive a aprovação do meu pedido de licença sem vencimentos do trabalho, por um período de um ano. Só faltava isso para começar o meu planejamento de transformar minhas economias em passagens, albergues, museus, paisagens, espiritualidade, comidas, encontros e desencontros.

Dois mil e oito para mim vai ser o ano da cigarra! – Isso não é horóscopo Chinês, Maia ou Checheno; é o resgate da Fábula de La Fontaine (mais conhecida como Fábula da cigarra e da formiga), mas com uma inversão de sua moral: sim, paremos para cantar e apreciar a primavera, e desfrutemos o ócio!!!!!

23 de março de 2009

Meu retorno

Queridos,
dia 18 de março terminou minha peregrinação por esse mundão. Estou na casa do meu pai, em São Paulo, sentindo a intensidade desse retorno. É grande a felicidade de estar em terrinhas tupiniquins, mesmo com os desafios que essa volta me traz, pois sinto que alguns velhos hábitos, rotinas e conceitos parecem não mais fazer sentido para mim e há uma negação em regressar a eles. Apesar de sentir momentos de inquietações, tenho trabalhado relativamente bem a minha ansiedade, buscando me manter tranqüila, honesta e aberta ao que vem de novo.

Definitivamente me sinto muito diferente da Flávia que partiu em 2008, acredito que mais amadurecida, e que essa transformação ainda esta só no começo. Passei por uma viagem na qual pude desfrutar e aprender muito com o mundo exterior (paisagens, pessoas, culturas, etc.), mas também ter a oportunidade de iniciar o caminho do mundo interior. E foi ao longo da jornada que a maturidade foi sendo firmada e muitos conceitos sendo gradativamente ressignificados.

Antes de partir, estava imersa em sentimentos de frustração e projetei a minha felicidade na realização dessa viagem. Contudo, no momento da tão sonhada experiência, constantemente ansiava pelo momento futuro, o próximo destino, onde certamente estaria o melhor momento de êxtase. Também, ao sair do Brasil, pensava que a minha independência e liberdade eram simbolizadas pelo ato de colocar de uma mochila nas costas e sair para uma viagem solo ao desconhecido, às custas de recursos financeiros próprios. De certa forma, reconheço que foi uma conquista e que houve certo desprendimento e coragem na ação. Porém, admito que muitas vezes não soube estar realmente só e que, repetidamente, busquei preenchimento através do outro, debruçando minhas expectativas nas pessoas que encontrava no caminho ou que faziam contatos virtuais. Ah, foram tantas visitas a internet para fugir daquele conhecido vazio!

Tive que escalar o vulcão Etna, atravessar o deserto da Capadocia, trilhar os Himalaias e cruzar muitas fronteiras para perceber que, independente dessas serem grandes experiências, a maior delas tem sido explorar aquele espaço que estava ali, bem pertinho e sempre acessível, que é o mistério de mim mesma! Isso eu fui descobrindo ao longo da jornada, mas a percepção culminou na Índia, e devo muito ao Prem Baba, as pessoas do seu grupo e minha irmã Cláudia (La foi onde completei 9 meses de viagem, o que para mim simbolizou meu renascimento!). Mas também valorizo muito a viagem exterior pois foi ela que me expôs ao desconhecido e me possibilitou experimentar, com mais confiança e espontaneidade, novos espaços sociais e facetas do meu ser que, talvez por condicionamento e repressão, não teria feito nos conhecidos círculos no Brasil.

Hoje compreendo que a felicidade deve ser conquistada dentro, para assim ser emanada para fora. É uma valiosa mudança conceitual, pois está no sentido inverso do que eu antes acreditava. E ela só é conquistada quando podemos expressar o nosso EU interior mais genuíno e espontâneo, despido dos inúmeros filtros emprestados e dos pára-choques implantados. Cada pouquinho que me movo em direção a esse EU verdadeiro, experiencio mais paz, completude e amor. E quando, por graça, consigo acessar um lampejo desse puro amor, sinto que ele vem para ser compartilhado e entregue de forma incondicional. Tenho focado muito para sair da contra-mão, na qual sou movida pela infinita carência em receber. Descobri que, isso sim, é a verdadeira liberdade e independência.

E quando estamos nessa sintonia amorosa, podendo expressar nossa verdadeira essência, naturalmente sentimos uma alegria muito grande e um amor pela vida. E como a vida só existe no momento presente, o resto é ilusão, tenho procurado desfrutá-la até o osso, mesmo nas pequenas coisas. Ah, e como tem sido bom comer uma maçã, dançar uma música, admirar uma criança, acariciar uma pessoa, escutar um passarinho... !

Estou decidida a sair dos meus automatismos e do velho condicionamento de estar sempre na incessante busca de algo a ser conquistado no futuro ou atada aos de alegria e dor ocorridos no passado. Acho que, talvez, devido a esse intento interno é que tenho criado um pouco de resistência em atualizar os relatos de viagem no meu BLOG. Sempre fui tão apegada ao passado, que tenho que radicalizar um pouco para tentar me livrar desse padrão.

Tenho a noção que há muito para ser amadurecido e que ainda estou cheia de defeitos e padrões negativos. Há muito que se trabalhar para alcançar a coerência entre o discurso e a prática. Também não estou imune a quedas e regressões, mas ao menos tenho a certeza que conquistei uma parte desperta em mim que estará constantemente a me instigar a trilhar esse caminho do coração, seja em João Pessoa, São Paulo, Lisboa, Moscou, Rishkesh, Bankok, onde tiver que ser, e para então continuar cantando como cigarra, nos verões, primaveras, outonos ou nos invernos da vida!
Namastê!
Beijão,
Flávia (A Cigarra)

7 comentários:

gevis disse...

Já tinhamos saudades de a " ouvir ",muitas saudades .Que bom sabê-la ,com saúde e em segurança,há que dizê-lo .Os próximos tempos vão também ser muito importantes .Tudo na vida precisa de sedimentação,após experiencia de vida tão intensa .Usufrua de toda essa experiencia adquirida e " saiba" transmiti-la aos outros .Beijos

deaconti disse...

Amei, filha! Seu relato, sua experiência e essa que voltou.

beijo e muito carinho,
mama

Anônimo disse...

minha amiga, adorei conhecer-te. espro um dia voltar a encontrar-te e tomar "aquela" cerveja.. desta vez... geladinha ou fresquinha.. rs

helder.. porto

Anônimo disse...

Todos nós criamos expectativas e sonhos a respeito da felicidade.Para uns é o sucesso profissional para outros,o financeiro.Há aqueles que acreditam ser a aquisição de status outros,o poder político.Quem não deseja encontrar a sua "alma gêmea" e se tornar "completo"?Embora todos esses objetivos sejam meritórios e nos proporcionem experiências enriquecedoras,nehum deles nos transforma efetivamente pois,são vitórias externas e não conquistas internas.
FELICIDADE = IDADE DE TER FÉ E LUZ.Este conceito pessoal é bem diferente do tradicional.Não obstante para aqueles que buscam a Verdade,a Justiça,a Paz, o Amor...A IDADE(amadurecimento espiritual) nos leva a FÉ(convicção adquirida através de vivências e transformações internas) que culmina com a LUZ(ILUMINAÇÃO,o despertar do Eu Superior ou a sincronia dos vários veículos de manifestação da consciência,possibilitando ao Ser manifestar-se de forma apropriada nesta dimensão.
O Caminho é sempre árduo e,muitas vevez, solitário para aquele que desperta,todavia,esse é o destino de todos nós.Alguns mais cedo,outros mais tarde mas, todos sem exceção alcançarão a "IDADE DE TER FÉ E LUZ.

Namastê!

O Peregrino

cigarra disse...

Eu superior? Manifestacao da consciencia? Conheco esse vocabulario. Quem e vc peregrino?
me escreve no meu email mfnunes@hotmail.com
beijos a todos
ps. tb adoro vcs familia portuguesa e mamae ;)

Raquel disse...

Amiga, acalmate que seu caminho será sempre iluminado, tenho certeza... João Pessoa e as pessoas de lá te amam e te esperam de braços abertos!!
Feliz jornada, Dona Cigarra.

EU disse...

divinal :-)
sabes ao ler isto... quase q revejo um livro...comer, orar e amar