Este ano eu completo 30 invernos (não são primaveras, pois nasci em julho). Os que já passaram por essa fase sabem que ela vem recheada de mudanças, tanto físicas (já me chamam de Tia ou Senhora na rua!!!), como comportamentais, e com isso vêm os questionamentos.

Após a miscelânea de emoções vividas nos últimos anos, resolvi tirar um tempo para mim. Quero vivenciar situações imprevistas e redescobrir a Flávia, que por vezes vinha se escorando em personagens circunstanciais.

Obtive a aprovação do meu pedido de licença sem vencimentos do trabalho, por um período de um ano. Só faltava isso para começar o meu planejamento de transformar minhas economias em passagens, albergues, museus, paisagens, espiritualidade, comidas, encontros e desencontros.

Dois mil e oito para mim vai ser o ano da cigarra! – Isso não é horóscopo Chinês, Maia ou Checheno; é o resgate da Fábula de La Fontaine (mais conhecida como Fábula da cigarra e da formiga), mas com uma inversão de sua moral: sim, paremos para cantar e apreciar a primavera, e desfrutemos o ócio!!!!!

29 de agosto de 2009

Desapegos

Hoje acordei e fui à praia. O dia estava lindo e o sol, que andava meio escondido nas últimas manhãs chuvosas, reapareceu majestoso. A prática de yoga foi maravilhosa e profunda. Ao chegar em casa fui para o chuveiro e queria sentir a água escorrer na minha cabeça (sou muito mental e acumulo muita energia nessa região: uma boa ducha gelada na cuca ajuda a desopilar um pouquinho). Porém, a força da água não percolava até as raízes, já que meus soberbos cabelos não permitiam. Lisos, compridos, sedosos e dourados, esses belos fios também sustentavam lembranças desagradáveis, apegos e vaidades. Naquele instante eles pareciam pesar toneladas e, entoando o “Recado da Mãe Divina”, empunhei a minha tesoura e cumpri meu “sahasharakiri” (neologismo meu: um harakiri para libertar meu hara (chakra solar, o manipura, extremamente ligado a idéia de EU) e o meu sahashara (chakra coronário, da transcendência, da libertação). O retoque final foi feito no salão de beleza, pelas mãos de uma cabeleireira, inconformada com o fato, que já estava consumado!

Não há desculpas para se escorar já foi dito a hora é essa, o tempo é de se integrar, abraçando o que ainda resta... Estou morrendo para o passado nem anseio pelo futuro, minha coroa tem brilho dourado, provo o néctar do amor maduro” Fragmento do “Recado da Mãe Divina”, recebido por Chandra Lacombe







8 comentários:

gevis disse...

" .... estou morrendo para o passado,nem anseio pelo futuro ....
"
Embora a frase não seja sua subscreve-a,presumo .
Prima ,tem TODO o TEMPO ,TODO o MUNDO à sua FRENTE e muita gente que lhe quer BEM ,que a AMA .
E está muito bonita .Beijos dos primos portugueses .

Anônimo disse...

Concordo com "os primos portugueses". E cara bonita fica sempre bem. Com muito ou pouco cabelo!
Um beijo
helder .. do Porto

vega becker disse...

caí no seu blog pelo "recado da mãe divina"..., me arrepia quando canto "Mãe Divina eu quero ser um filho realizado...".

estou a caminho dos desapegos tbm...

paz e luz no teu caminho.

beijos

duo coletivo disse...

ficou ainda mais LINDA!!! beijos, saudades... Pat.

EU disse...

Olá Cigarra,
Sou amiga do Helder do Porto e porque também eu estou morrendo para o passado e renascendo cada dia em busca do meu verdadeiro eu, resolvi cá passar de tanto que ouvia Falar:-)
Os desapegos são algo que vêm ao longo da caminhada e a tua é bela pelo que me contam e pelo que vejo!

Virei visitar este Cantinho pois a Cigarra tem um canto maravilhoso!

नमस्ते
Marta

VIDA! disse...

Jaya Querida!
Somos um..
Antes de tudo queria te dizer que escrevo pela indentificação com sua história.
Acabo de raspar a cabeça e se foi ai energias de muitas épocas, Muita gente não entendeu, mas entendo eles também..
Bem espero que possamos estar em contato ainda que telepático, encontros não se dão por acaso ainda mais nesse momento de transição onde os caminhos estão se estreitando e a familia espiritualestá se encontrando.
Luz e Paz!!
Até..

José disse...

Olá Flávia, procurando a letra da música Recado da Mãe Divina (que me arrepia igual à tal Vega)caí no teu blog como uma abelha numa flor cheia de polen, e não posso sair sem provar um pouquinho do teu "néctar do amor maduro". È a primeira vez que entro num blog de uma desconhecida-conhecida. Meu nome é José Ugalde, argentino, 58 anos, e se por acaso um dia você viaja pelas bandas de Córdoba, seria muito lindo te conhecer e te apresentar pessoas irmãs.
Meu e-mail: ugaldeu@gmail.com
Beijos e queijos.

Anônimo disse...

Vem surgindo um novo tempo
traz gloria do Divino
Mais puros e atentos
nos tornamos canais do infinto

Mãe Divina eu quero ser
um filho realizado
Que é perante o seu poder
que me entrego pra ser libertado

Como um rio que corre para o mar
correntesas carregam medo
Confiança para atravessar
a fronteira do eu derradeiro

Não a desculpas para se escorar
ja foi dita, a hora é essa
O tempo é de se integrar
abraçando oque lhe ainda resta

Estou morrendo para o passado
e nem anseio pelo futuro
Minha coroa tem brilho dourado
provo o nectat do Amor maduro.



Esta melodia, simplismente fala maravilhosamente sobre a Nova Era que vem por ai.

Juliana....
jhuly_basket@hotmail.com